Repensar a educação é emergente - Jornal de Colombo

Repensar a educação é emergente

Repensar a educação e a aprendizagem no contexto pós-pandêmico é tão urgente quanto necessário, é emergente! O ano de 2020 ficou para trás, mas a pandemia ainda é um assunto em pauta. Apesar das incertezas sobre o que será da educação, as mudanças e acontecimentos que ocorreram no mundo colocaram-na em níveis de complexidade e

Repensar a educação e a aprendizagem no contexto pós-pandêmico é tão urgente quanto necessário, é emergente! O ano de 2020 ficou para trás, mas a pandemia ainda é um assunto em pauta. Apesar das incertezas sobre o que será da educação, as mudanças e acontecimentos que ocorreram no mundo colocaram-na em níveis de complexidade e contradição. Este fato requer uma abordagem aberta e flexível quando o assunto é: aprendizagem, retorno às aulas presenciais e respeito pela vida. 

E como manter a equidade num momento tão crucial em que a manutenção da vida deve ser prioridade? Como garantir um direito sem violar o outro? De qual educação precisamos em 2021? 

Sem dúvidas novas perspectivas educacionais surgirão para responder a estes desafios, e é por isso que precisamos repensar a educação em um mundo em mudança. Para se falar em novos tempos é necessário debater o regime emergencial de aulas remotas ora adotado pelas escolas em contraste à ascensão da tecnologia para promover a cultura digital e enriquecer as relações de ensino-aprendizagem.  

Para que isso ocorra de forma satisfatória torna-se necessário preparar e capacitar o profissional da educação para as novas demandas educacionais, ou seja, para o novo repertório tecnológico. Entramos numa nova fase da história da educação no qual a ciência e a tecnologia avançaram e se tornaram nossos principais aliados para um possível retorno das aulas presenciais. Todavia, para nos beneficiarmos desses avanços precisamos entender e administrar as oportunidades e os riscos a fim de assegurar o bem-estar comum de todos os envolvidos neste processo. Não bastam apenas protocolos, trata-se de substituir o temor pelo entusiasmo! Trata-se de um olhar humanístico e sensível principalmente sobre a atuação dos profissionais da educação em seus aspectos físicos, emocionais, intelectuais, etc. Este acolhimento certamente será de suma importância para que possamos prosseguir com a nossa missão, motivados e seguros.

Tais proposições impulsionam para um tempo de investimento jamais visto na formação de professores e um melhor engajamento destes no cenário educacional. Só assim haverá condições de debater e repensar a educação de uma forma participativa, colaborativa e contextualizada. Portanto, em 2021 a educação alcançará seu real propósito quando todos os envolvidos neste processo entenderem que a responsabilidade não é só da escola. É necessário potencializar e garantir este direito numa relação de cooperação e “responsabilidade compartilhada” para que a esperança de dias melhores comece a renascer. Como dizia o filósofo chinês Confúcio: “educação gera confiança; confiança gera esperança; esperança gera paz”. Que possamos confiar na ciência e ter esperança na vacina para enfim estarmos em paz novamente.

Suelen Prestes Coutinho do Nascimento é Pedagoga e Professora da Educação Básica, Pós graduada em Alfabetização e Linguagem, aluna de especialização em Psicomotricidade e Desenvolvimento Humano e pesquisadora em Alfabetização e letramento com ênfase na Formação de Professores. Atualmente é Coordenadora Pedagógica da Educação Infantil 4 e 5 anos do CMEI Espaço da Criança.

Posts