Novos capítulos - Jornal de Colombo

Novos capítulos

O ano de 2020 não foi nada fácil para todos nós. Eu e minha esposa, por exemplo, e graças a Deus, acabamos de passar pela Covid-19. Estamos em fase de recuperação. O vírus fez com que eu parasse com minhas atividades durante o período de isolamento social obrigatório para quem está infectado com a doença

O ano de 2020 não foi nada fácil para todos nós. Eu e minha esposa, por exemplo, e graças a Deus, acabamos de passar pela Covid-19. Estamos em fase

de recuperação. O vírus fez com que eu parasse com minhas atividades durante o período de isolamento social obrigatório para quem está infectado com a doença do novo coronavírus.

Nesses dias de isolamento tive tempo para repensar minha vida, e também para que pudesse pensar com muito carinho no convite para me tornar colunista nesse renomado Jornal de nosso Município. Meu primeiro texto como colunista é justamente para conversar com vocês, queridos leitores, sobre o ano que está terminando. Mas antes de deixar minha mensagem, quero pedir a vocês que, por favor, cuidem de vocês e de quem amam, pois os hospitais estão cheios de pessoas que não estavam levando a pandemia a sério e, por ignorância humana, achavam que este vírus não era nada e não passava de uma ‘gripezinha’. Eu e minha esposa nos cuidamos muito, seguimos todas as recomendações para que pudéssemos evitar este vírus, e mesmo assim acabamos contaminados, pois outras pessoas próximas não tiveram o mesmo cuidado.

Enfim: o ano de 2020 está acabando e logo teremos mais 365 páginas e 12

Capítulos para escrevermos em nosso livro chamado vida. Esta pandemia chegou no início do corrente ano para mostrar a todos nós que ninguém é superior a ninguém, já que estamos todos em fase permanente de evolução. Portanto, antes de criticar, discriminar ou julgar seu próximo, reveja seus conceitos. Os sábios de coração jamais criticam ou agem com maledicência. Seja o melhor que puder ser nesta vida, mesmo que isso não seja o bastante para alguém. Pode ter certeza que Deus está olhando por você e acompanhando a sua jornada.

Pense que o importante é a sua caminhada no progresso, independente de

ser rápida ou lenta. Seja você, não mude por ninguém, a não ser que

julgue necessário como acréscimo de alma, pois essa é a sua essência

divina.

Toda sociedade que exclui pessoas por qualquer motivo (deficiência, cor, gênero, etc) está destruindo a esperança e ignorando talentos. Se fizermos isso, colocaremos em risco todo o futuro da humanidade. Lembre-se: o respeito está em primeiro lugar e só existe quando há troca de ideias, informações e vontades.

Por maior que seja a deficiência, lembre-se da eficiência da pessoa que ali está. A maior barreira em relação a nós, pessoas com deficiência, não é arquitetônica, e sim, a falta de informação, pré-conceitos e a discriminação.

Respeito e igualdade para todos, sem distinção de raça, cor, classe social, crença, orientação sexual e de gênero.

Um Feliz Natal Inclusivo!

“Todo jardim começa com uma história de amor; antes que qualquer árvore seja plantada ou um lago construído, é preciso que eles tenham nascido dentro da alma. Quem não planta jardins por dentro, não planta jardins por fora e nem passeia por eles” – Rubem Alves

Luiz Vanderlei Rodrigues tem 46 anos, é cego, jornalista e graduado em Gestão Pública. Também possui MBA em Administração do Terceiro Setor, MBA em Administração Pública e Gerência de Cidades e MBA em Gestão de Pessoas e Liderança.

Posts