Quais efeitos psíquicos a pandemia trouxe? - Jornal de Colombo

Quais efeitos psíquicos a pandemia trouxe?

Com a pandemia causada pela propagação do novo coronavírus, aqui no Brasil desde março de 2020, muitos de nós seguindo as recomendações das autoridades em saúde e dos cientistas em geral (apesar do negacionismo que assola o país), estamos em distanciamento social. Essa medida nos impôs muitas mudanças no ritmo de vida; a principal delas

Com a pandemia causada pela propagação do novo coronavírus, aqui no Brasil desde março de 2020, muitos de nós seguindo as recomendações das autoridades em saúde e dos cientistas em geral (apesar do negacionismo que assola o país), estamos em distanciamento social. Essa medida nos impôs muitas mudanças no ritmo de vida; a principal delas é o afastamento físico de quem convivíamos regularmente.

Perdemos o contato físico, deixamos de lado os churrascos, as festas, os barzinhos, as tais aglomerações como feirinhas, shows, teatro, cinema, tudo passou para o virtual, até mesmo o trabalho e a educação… Essa perda, por si só, já é capaz de impactos muitos profundos no psiquismo, visto que somos seres sociais e precisamos do outro em alguma medida. O laço de amor e desejo com o outro, nos faz sentir as dores e as alegrias de estar vivo!

Além dessa perda, muitas pessoas ficaram desempregadas ou perderam sua renda, houve um forte abalo financeiro nas famílias em geral. As notícias sempre duríssimas, informações diárias sobre as mortes, o descaso de alguns governantes, a falta de vacina, o cenário político tenso e extremista, favorecem ainda mais a sensação de vulnerabilidade e desamparo.

O medo de ser contaminado e contaminar, a invisibilidade do inimigo, a imprevisibilidade de sua ação no organismo de cada um, todas essas somatórias nos colocam numa situação psíquica da ordem do traumático, muito próximo ao que se experimenta numa guerra. 

O convívio da família conjugal intenso, filhos em casa,  irritabilidade, ansiedade, estresse, são fatores que somados são um risco eminente a saúde mental. Quando se pensa que vai melhorar, vem novos decretos devido ao agravamento da propagação do vírus, mortes, lutos, etc… agentes que podem desencadear estresse, ansiedade elevada, crises de angústia e pânico, depressões, e outras formas de vulnerabilidade psíquica.

Nunca precisamos tanto de laços fortes de amor, amizade, e da família por perto, ainda que distantes fisicamente, o contato telefônico, as vídeo chamadas, o WhatsApp, e outros recursos tecnológicos que podem diminuir as distâncias, têm favorecido e muito para o bem estar, pelas palavras trocadas de apoio, amparo, acolhimento, carinho e esperança.

Cuidemos uns dos outros. O momento é delicado e nossos laços com o outro são importantes aliados nessa luta. 

Se possível, mantenham-se ativos fisicamente e intelectualmente, ainda que de modo remoto. Caso perceba que essas ações não são suficientes, que a tristeza, o desanimo e o cansaço estão persistindo, se notar sintomas depressivos como pensamentos demasiadamente negativos, falta de energia para as atividades cotidianas, irritabilidade e ansiedade excessiva, se perceber desinteresse pelos laços sociais (agora remotos), busque amparo, busque ajuda e se achar necessário recorra a um profissional de saúde mental!

Sigamos separados, mas juntos no enfrentamento desses males que vem afligindo a todos!

Izabel Linares é Psicóloga (CRP-08/27332), especialista em psicologia clínica e psicanalista em permanente formação. Seu consultório em Colombo fica localizado na Av. Marginal José Anchieta, nº 906, às margens do KM2 da Estrada da Ribeira. Contato: 41 98516-3884.  

Posts