Cartórios já registram mais óbitos por coronavírus do que o Ministério da Saúde - Jornal de Colombo

Cartórios já registram mais óbitos por coronavírus do que o Ministério da Saúde

Cartórios já registram mais óbitos por coronavírus do que o Ministério da Saúde

A informação não chega a ser uma surpresa, mas dados divulgados pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil) informou em relatório divulgado nesta quinta-feira, 2, de que o Brasil registra mais óbitos pelo coronavírus do que o oficialmente divulgado pelo Ministério da Saúde. Segundo os números da Arpen, até as 20h de quarta-feira,

A informação não chega a ser uma surpresa, mas dados divulgados pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil) informou em relatório divulgado nesta quinta-feira, 2, de que o Brasil registra mais óbitos pelo coronavírus do que o oficialmente divulgado pelo Ministério da Saúde. Segundo os números da Arpen, até as 20h de quarta-feira, 1º de abril, o país teve 294 óbitos com “causa mortis” identificada como suspeita ou confirmação de Covid-19 por médicos que assinaram atestados de óbitos. Dados do Ministério da Saúde registrava 241 mortes até a mesma data.

Os números fazem parte do Portal da Transparência (transparencia.registrocivil.org.br/especial-covid), plataforma eletrônica que reúne os dados registrados pelos cartórios de todo o Brasil e que é administrada pela Arpen. O portal tem o objetivo de proporcionar uma melhor compreensão do impacto da pandemia do novo coronavírus sobre a sociedade brasileira, contribuindo para a apuração de subnotificações de casos fatais. São Paulo, com 203 óbitos, e Rio de Janeiro, com 46, são os estados com mais mortes registradas como confirmadas/suspeitas de COVID-19. Na sequencia aparecem Distrito Federal com 8 casos e Pernambuco, com 7.

A plataforma disponibiliza, ainda, as estatísticas de registros de óbitos cuja causa mortis foi apontada pelos profissionais de saúde como Insuficiência Respiratória e Pneumonia, doenças relacionadas ao surto de COVID-19, que podem constar como causas de falecimentos. Somente no mês de março de 2020 foram registrados 9.036 óbitos destas doenças em todo o País. “Trata-se de um serviço de transparência para a população, para o governo, sociedade e para a imprensa acompanharem, em tempo real, as informações desta grave crise de pandemia mundial e seus reflexos no Brasil”, explica o vice-presidente da Arpen-Brasil, Luis Carlos Vendramin Júnior. “Assim como outras profissões essenciais, os cartórios seguem abertos, registrando nascimentos, óbitos e fazendo os atendimentos à população em meio a esta crise de saúde pública”, completa.

A ARpen alerta, ainda, que apesar de a plataforma ser um retrato de todos os óbitos registrados pelos Cartórios de Registro Civil do País, o número real pode ser ainda maior, em razão ds prazos legais para a realização do registro e para seu posterior envio à Central de Informações do Registro Civil (CRC Nacional). A Lei Federal 6.015 prevê um prazo para registro de até 24 horas do falecimento, podendo ser expandido para até 15 dias em alguns casos, enquanto a norma do CNJ prevê que os cartórios devem enviar seus registros à Central Nacional em até oito dias após a efetuação do óbito. 

Posts