Nova Ferroeste tem Estudo de Impacto Ambiental aprovado pelo Ibama - Jornal de Colombo

Nova Ferroeste tem Estudo de Impacto Ambiental aprovado pelo Ibama

Nova Ferroeste tem Estudo de Impacto Ambiental aprovado pelo Ibama
Nova Ferroeste tem Estudo de Impacto Ambiental aprovado pelo Ibama.(Foto: Reprodução/AEN/Ferroeste)

O projeto da Nova Ferroeste prevê a ampliação nos dois sentidos da ferrovia, que atualmente conta com 248 quilômetros de extensão entre Cascavel e Guarapuava. A obra pretende interligar mais 1.304 quilômetros partindo de Maracaju, no Mato Grosso do Sul, com destino a Paranaguá, no Litoral, além de um ramal para Foz do Iguaçu, formando o idealizado Corredor Oeste de Exportação ao longo de 49 municípios estaduais.

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) publicou no Diário Oficial da União no dia 21 de janeiro a aprovação do Estudo de Impacto Ambiental (EIA/RIMA) da Nova Ferroeste, executado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). O relatório possui mais de 3 mil páginas estava em análise desde novembro, quando o Governo do Paraná protocolou o resultado final.

Uma nova publicação será feita pelo Ibama no Diário Oficial da União, indicando o início do prazo de 45 dias para a realização das audiências públicas. “Foi analisado se a forma de apresentação do EIA/RIMA atende aos requisitos do órgão licenciador, e se está claro para compreensão da população”, explica o coordenador-geral do EIA/RIMA, Daniel Macedo Neto. “É nesse momento em que serão definidos os municípios. O Ibama vai avaliar o volume de inscrições e determinar os locais e as datas dos encontros de acordo com as regiões”.

O estudo foi realizado por uma equipe multidisciplinar com 150 profissionais da Fipe, responsáveis pela coleta e análise dos dados. Biólogos e geólogos percorreram 1.280 quilômetros para levantar informações sobre a fauna e flora, além de avaliar a qualidade da água nas bacias hidrográficas e do ar ao longo do traçado. O ofício também contém dados sobre o ruído, a formação das cavernas, e os animais ameaçados de extinção.

De acordo com as pesquisas de viabilidade, a ferrovia promete a circulação de cerca de 38 milhões de toneladas de grãos e contêineres refrigerados no primeiro ano de operação plena. O empreendimento deve ir a leilão na Bolsa de Valores de São Paulo (B3) no segundo trimestre desse ano, com o valor de R$ 29,4 bilhões estimados. O vencedor do leilão vai executar a obra e explorar o trecho por 70 anos.

Posts