Litoral tem menor índice de mortes por afogamento em 5 anos - Jornal de Colombo

Litoral tem menor índice de mortes por afogamento em 5 anos

Litoral tem menor índice de mortes por afogamento em 5 anos

De acordo com dados da operação Verão Maior, do Governo do Estado do Paraná, o litoral paranaense registrou nesta temporada o menor índice de afogamentos no mar dos últimos cinco anos. Nos primeiros 55 dias da operação foram registrados três óbitos, número 62,5% menor do que o registrado no mesmo período da temporada anterior, com oito casos.

De acordo com dados da operação Verão Maior, do Governo do Estado do Paraná, o litoral paranaense registrou nesta temporada o menor índice de afogamentos no mar dos últimos cinco anos. Nos primeiros 55 dias da operação foram registrados três óbitos, número 62,5% menor do que o registrado no mesmo período da temporada anterior, com oito casos. O dado também é menor que a média das cinco últimas temporadas, que é de cinco óbitos para o período.

O Corpo de Bombeiros fez mais de 61 mil orientações aos banhistas desde o início do Verão Maior 2019/2020. “As ações foram muito bem elaboradas, a fim de fornecer maior segurança ao cidadão. A redução no número de óbitos é uma consequência do trabalho desempenhado por estes profissionais”, disse o secretário da Segurança Pública e coordenador do Verão Maior 2019/2020, Romulo Marinho Soares.

No período também foi registrado o menor número de ocorrências de afogamentos graves dos últimos cinco anos. Foram sete em todo o litoral, número 59% inferior aos 17 casos registrados na temporada anterior. Além disso, o número de pessoas que precisaram ser salvas pelo Corpo de Bombeiros também reduziu. Este ano foram 728 salvamentos, contra 839 no mesmo período do ano anterior. “Para nós é muito mais positivo prestar uma boa informação e não ter de fazer o salvamento. O salvamento é uma consequência, nosso pessoal está treinado para isso, mas gostamos muito mais de prestar a orientação, para que as pessoas não tenham problema e possam desfrutar da praia da melhor maneira possível”, afirmou o comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Samuel Prestes.

Em relação a afogamentos em rios, o Corpo de Bombeiros atendeu apenas uma ocorrência nos primeiros 55 dias de Verão Maior. Já no mesmo período da temporada anterior, foram duas ocorrências. “Com a média alcançada nesta temporada, ficamos abaixo de todos os níveis e parâmetros dos últimos anos. Parece que a população está bem mais consciente dos riscos e entendeu, mais do que nunca, o nosso sistema de fiscalização, pois estão procurando mais as áreas protegidas. O trabalho de orientação e advertência está sendo bastante efetivo para todos, o que contribui para menos afogamentos”, completou o coronel..

Na contramão dos demais números, foi registrado um aumento no número de ocorrências por água-viva. Foram 4.063 casos durante os primeiros 55 dias desta temporada contra 1.406 no ano anterior. O número, porém é menor que a média das últimas cinco temporadas, 9.094. “Os bombeiros estão preparados para orientar, ajudar e atender nestes casos e em todos os postos temos vinagre para ajudar os banhistas vítimas deste fenômeno natural nas praias”, disse o major Emmanuel. Completando o balanço, foram feitos, ainda, 339 atendimentos pré-hospitalares nos primeiros 55 dias de Verão Maior – 40 a menos que na temporada anterior (379). Já em relação a atendimentos comunitários, foram 33 neste ano, igual número da temporada anterior. Foram registrados ainda 134 atendimentos de acidente com meio de transporte – quatro a menos que na operação 2018/2019. Houve 17 casos a mais de combate a incêndios nesta temporada. Foram no total 114 ocorrências, contra 97 verificadas no ano anterior. O número de salvamentos gerais também foi inferior: 139 nos 55 dias de operação, contra 195 nos mesmos dias do período anterior.

Posts