Em meio à estiagem, consumo de água aumenta - Jornal de Colombo

Em meio à estiagem, consumo de água aumenta

Em meio à estiagem, consumo de água aumenta

O Paraná vive, além da pandemia do coronavírus, uma crise hídrica grave graças a pior estiagem dos últimos vinte anos no Estado. Ainda assim, a Sanepar registrou um aumento no consumo residencial em determinadas regiões, como no Oeste paranaense. Na cudade de Diamante do Oeste, por exemplo, o consumo residencial de água em abril foi

O Paraná vive, além da pandemia do coronavírus, uma crise hídrica grave graças a pior estiagem dos últimos vinte anos no Estado. Ainda assim, a Sanepar registrou um aumento no consumo residencial em determinadas regiões, como no Oeste paranaense. Na cudade de Diamante do Oeste, por exemplo, o consumo residencial de água em abril foi 23% superior ao do mesmo período de 2019, assim como nas cidades de Vera Cruz do Oeste e Toledo que tiveram um aumento no consumo de 7% e 14%, respectivamente. Entre os motivos para esse crescimento estão o isolamento social, causado pelo coronavírus e que mantém as pessoas mais tempo em casa e as altas temperaturas registradas neste período, especialmente no interior. “As pessoas estão ficando mais em casa e com hábitos de higiene mais acentuados, como lavar mais roupas. Além disso, passamos por uma seca prolongada e altas temperaturas”, afirmou o gerente regional da Sanepar, Eduardo Luiz Arrosi.

Segundo o órgão, estes fatores afetam o abastecimento público porque a estiagem severa tem reduzido a capacidade de captação e produção de água. Em Vera Cruz do Oeste, no início de maio, a Sanepar foi obrigada a interromper a captação no Rio São Pedro, devido à queda na vazão, o que provocou diminuição de 30% na produção de água. Embora a produção tenha sido suficiente para atender à população, o sistema está no limite. Em Diamante do Oeste, a redução na vazão do poço que abastece a cidade foi de 10% e, em contrapartida, o consumo de água aumentou 23%. “Isto desestabiliza o sistema e se o consumo não diminuir poderá faltar água”, destaca Arrosi.

A região Oeste está entre uma das mais prejudicadas pela estiagem. De acordo com dados do Simepar (Sistema Meteorológico do Paraná), o regime de chuvas está 33% abaixo da média histórica, considerando o período desde a primavera do ano passado.

Economia

Não tem jeito. Na situação atual, o melhor a se fazer é economizar e regular o uso dos recursos hídricos. Para isso, a Sanepar tem feito campanha institucional para orientar e incentivar o consumo responsável de água, priorizando o uso da água para higiene pessoal e alimentação, além de, em algumas regiões, como a Região Metropoltana de Curitiba, ter instituído o sistema de rodízio de abastecimento. Entre as dicas de consumo responsável, estão orientações importantes como a redução de lavagem diária de roupa; o reuso de água, como a utilizada no enxague para regar jardim e grama, lavar calçadas, entre outros; armazenar água na cuba da pia para enxaguar a louça; reduzir o tempo de banho e reduzir o tempo de torneira aberta enquanto realiza a higiene pessoal.

Posts