Café especial paranaense é premiado em concurso nacional - Jornal de Colombo

Café especial paranaense é premiado em concurso nacional

Café especial paranaense é premiado em concurso nacional

O café produzido na pequena Japira, de menos de cinco mil habitantes, no Norte do Paraná, conquistou o 2º lugar no 16º Concurso Nacional Abic de Qualidade do Café – Origens do Brasil – Safra 2019, que recebeu inscritos de sete estados brasileiros. Os produtores premiados são o casal Ossi Cruz de Oliveira Lima e

O café produzido na pequena Japira, de menos de cinco mil habitantes, no Norte do Paraná, conquistou o 2º lugar no 16º Concurso Nacional Abic de Qualidade do Café – Origens do Brasil – Safra 2019, que recebeu inscritos de sete estados brasileiros. Os produtores premiados são o casal Ossi Cruz de Oliveira Lima e Francisco Barbosa Lima, do Sítio Fortaleza.

Os cafés finalistas foram avaliados por um júri técnico composto por provadores e especialistas, responsáveis por 90% da nota final, enquanto o critério de Sustentabilidade corresponde aos 10% restantes.

O lote de café Arábica, Cereja Descascado, da variedade Arara, sobressaiu-se com as características sensoriais de Especiarias, Frutado e Baunilha. A pontuação da Abic foi de 8,81, muito próxima do primeiro colocado, da Bahia, que somou 8,92 pontos. Os vencedores participaram de um leilão nesta semana, e o café paranaense teve duas sacas vendidas por R$ 3,8 mil cada, um valor seis vezes maior do que conseguiriam no mercado comum. Eles são responsáveis pela marca Café Pecatto, comercializado em Londrina.

Desde 1981, o casal mantém uma propriedade com 29 hectares de café e este não foi o primeiro título conquistado. Em 2012, Ossi venceu o prêmio estadual promovido pelo Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná Iapar- Emater. Também já foram finalistas em outros concursos, como o da Associação Brasileira de Cafés Especiais (ABCA).

Segundo Barbosa, o sucesso tem relação com as boas condições de clima da região, com altitude próxima de 760 metros e temperatura média anual de 20º. Ele é engenheiro agrônomo e dedicou-se ao café durante toda a vida profissional. Já Ossi é sua maior parceira na gestão da propriedade e na preparação do produto, rotulação e comercialização. “Tenho 70 anos e nasci dentro da fazenda. Sou neta, filha, sobrinha e irmã de cafeicultores. E me casei com um agrônomo, apaixonado por café. O prêmio é o resultado de um trabalho de muitos anos nessa atividade, estamos felizes e realizados”, afirmou a produtora.

Posts