Espécie exótica de cobra é encontrada em Colombo - Jornal de Colombo

Espécie exótica de cobra é encontrada em Colombo

Espécie exótica de cobra é encontrada em Colombo
A espécie deste animal é nativa dos Estados Unidos e provavelmente foi introduzida por aqui de maneira ilegalFoto: Divulgação/IAT

Cobra da espécie corn saneke (cobra-do-milho) foi encontrada na região rural de Colombo e entregue às autoridades ambientais

Uma cobra exótica popularmente conhecida como corn snake (cobra-do-milho) foi encaminhada pelo Água Terra (IAT), nesta semana, a um empreendimento licenciado. A cobra foi encontrada no último fim de semana nas ruas do município de Colombo.

O animal, da espécie Panterophis guttatus, foi resgatado pela população local e entregue ao Setor de Fauna do IAT, órgão vinculado à Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo (Sedest). Em um ambiente adequado, agora ela fará parte de estudos, como identificação de animais peçonhentos e sensibilização quanto ao impacto de espécies exóticas sobre a fauna nativa.

“A corn snake é uma serpente não-peçonhenta, ou seja, não possui veneno, mas ela é exótica no país, não é originária do território brasileiro e, portanto, sua criação e comercialização são proibidas no Estado”, destaca o biólogo do setor de Fauna do IAT, Allyfer Ziemmer.

O animal é nativo da região Sudeste dos Estados Unidos. Entre os prejuízos de retirar uma espécie de seu ecossistema natural e introduzi-la em outro ecossistema, está o potencial de transportar doenças e parasitas. “Isso, além de afetar as espécies nativas, pode também prejudicar os seres humanos”, destaca o biólogo do IAT, Mauro de Brito.

“Muitas vezes, identificar se uma espécie exótica possui ou não potencial de se tornar invasora pode demorar. Por isso é preciso sempre trabalhar com a prevenção, para evitar que animais exóticos possam vir a se estabelecer nos ambientes naturais”, completou o biólogo.

De acordo com o biólogo, os problemas podem ser ainda maiores quando as espécies exóticas apresentam características que as tornam invasoras, como falta de predadores, alta capacidade de reprodução, grande capacidade de deslocamento e ocupação do ambiente. Essas atitudes ameaçam ecossistemas, habitats ou outras espécies nativas.

O Paraná possui uma lista de todos os animais considerados exóticos e com restrições de criação e comércio. A lista foi publicada oficialmente em 2015, pela Portaria IAP nº 246. “Nela, é possível constatar que também são exóticas todas as espécies de pítons, cobras que são comuns encontrar com as pessoas”, completou o biólogo.

A Portaria estabelece critérios, procedimentos, trâmites administrativos e premissas para a concessão de Licenciamento Ambiental de empreendimentos que fizerem uso e manejo de fauna nativa ou exótica em condição ex situ – situação em que o patrimônio genético é mantido fora de seu habitat natural.

Quem possui os animais listados na Portaria, sem a devida documentação, está agindo de maneira ilegal e deve solicitar a entrega voluntária ao IAT. O objetivo da entrega voluntária é ficar livre de uma ação penal. Caso contrário, o tutor de um animal exótico, com criação e comércio proibidos pela normativa, pode sofrer punições cabíveis relacionadas ao Crime Ambiental (Lei nº 9605/98 e Decreto nº 3179/99).

De acordo com a legislação, introduzir espécie animal no País, sem parecer técnico oficial favorável e licença expedida por autoridade competente, é passível de penalização com detenção de três meses a um ano, e multa. A normativa descreve, ainda, que o ato de disseminar doença ou praga ou espécies que possam causar dano à agricultura, à pecuária, à fauna, à flora ou aos ecossistemas, é passível de reclusão de um a quatro anos, e multa.

fim de evitar a criação de animais exóticos, muitas vezes, por falta de conhecimento sobre essa diferença, o órgão ambiental do Estado orienta que nunca se deve comprar sem saber da procedência. Também é importante denunciar à Polícia Ambiental ou ao IAT a existência de comércios ilegais ou suspeitos de fauna.

Posts