Arquivos Rodrigo Alves de Carvalho - Jornal de Colombo



  • Medo do chuveiro0

    Não sei se outras pessoas também são assim, mas eu carrego um certo trauma desde criança até hoje, que é o medo do chuveiro.  Tudo começou quando ainda não alcançava o registro e esperava minha mãe abrir a água para um refrescante banho quando o chuveiro pegou fogo.  Aquilo me chocou de uma maneira que

    READ MORE
  • Santo Antônio não é peixe0

    Francineide já entrara na casa dos trinta anos e o desespero começou a tomar conta da moçoila. Precisava casar urgentemente.  Todas as irmãs, tanto as mais velhas como as mais novas haviam se casado, algumas inclusive, já eram mamães; assim como as amigas de infância já casaram, tem umas até que casaram, largaram e casaram

    READ MORE
  • Ainda se tiram fotografias 3×40

    A calçada estava repleta de flores daquele ipê amarelo escorregadio espalhado até a rua. De pé em pé para não levar um belo escorregão e quebrar a bacia, eu me atentava àquelas florezinhas bonitinhas, mas ordinárias.   Lá num cantinho bastante úmido próximo ao muro encontrei o papelzinho retangular virado com o lado branco para cima.

    READ MORE
  • A manchinha de molho0

    Existiam dois reinos vizinhos, o reino de Astolfia que era governado pelo rei Astolfo e o reino de Jacintolândia, cujo monarca era o rei Jacinto. Os dois reinos viviam em paz e harmonia. A população de ambos os reinos tinha passe livre para circularem de um lado para o outro, assim existiam muitos amigos entre

    READ MORE
  • Na beirada da Terra0

    Foi num grupo de discussão da Internet que surgiram as primeiras fagulhas e um homem entrou para a história provando definitivamente que a Terra é plana. Pelo menos, provou para esse grupo de “terraplanistas” espalhados pelo globo, ou melhor, pela reta… Sim, existem pessoas que creem piamente que nosso planeta é plano como uma pizza

    READ MORE
  • Quando ninguém mais espirrava

    Quando ninguém mais espirrava0

    Logo de manhã, numa pequena cidade chamada Escangaia, seu Raimundo, um nortista que chegara ainda criança na cidade, se preparava na porta de sua mercearia para o matinal espirro das sete horas. Infla os pulmões e absorve o puro ar interiorano com leve cheiro de bosta de vaca, olha rapidamente para o sol surgindo atrás

    READ MORE